Commenti dei lettori

Quais Dicas Preciso Pra Começar um Projeto Estrutural?

"Henrique" (2018-06-21)

In risposta a ok
 |  Invia una risposta

mais sugestőes

Obviamente, é necessário que tenhamos o projeto arquitetônico definido pra construir os complementares. Contudo, diversas vezes o projetista da suporte recebe somente o projeto de imediato aprovado na prefeitura, que geralmente sofreu um longo e burocrático recurso até sua aprovação. Por conta disso, o arquiteto e o proprietário improvavelmente aceitam realizar transformações na arquitetura já aprovada para melhor adaptação ao projeto estrutural. A despeito de essa seja uma prática corrente, não é a melhor forma de trabalho. Quanto mais cedo o projetista da suporte tiver acesso ao arquitetônico, melhor.


Infelizmente, existe no Brasil uma cultura de que as obras de baixo porte não necessitam deste tipo de laudo. O laudo de sondagem do terreno não podes ser visto como custo extra já que, e também representar um porte de segurança pra obra, pode simbolizar assim como uma economia, pelo motivo de corta a incoerência no dimensionamento. Contratantes de grandes obras sabem super bem disso e não costumam formar empecilhos pra este tipo de documento.


Não é exigido em todas as obras, no entanto quando o terreno é acidentado, é um documento fundamental, pois é utilizado pra definir estruturas de contenção, quando necessárias, além das cotas das fundações. Quando você não tem sugestões a respeito do terreno, podes pedir que o contratante lhe envie imagens pra você tomar essa decisão se necessita ou não dispor do levantamento topográfico.


Quando as obras são especiais - o caso de barragens, viadutos, pontes, usinas, estações de tratamento - são ainda necessários perfis geológicos, relatórios hidrológicos ou até informações sismológicas. Verifique as exigências antes de dar início o projeto. Para desenvolver o projeto segundo a norma NBR 6118, o engenheiro deve definir qual é a categoria de agressividade ambiental da construção.


Esse padrão pretende avaliar o risco predominante de deterioração da infraestrutura, considerando estilos ambientais e geográficos. Para esta finalidade, você terá que definir se a obra será erguida em um recinto considerado rural, urbano, industrial ou marinho. Quanto superior o tempo pra elaboração do projeto estrutural, melhor e mais econômica é a solução. Não há questões a respeito. Em alguns casos, o cliente tem interesse em optar por um tipo de solução técnica em detrimento de outra.


Todos estes estilos provocam na característica do projeto que será executado e bem como no tempo que vai adquirir exercer. Com estas sugestões de antemão é muito Obtenha Mais fácil tomar as decisões, já que há menos risco pela hora de fazer a proposta e a própria elaboração do projeto. Um projeto estrutural bem feito deve considerar todas estas dúvidas para minimizar os possíveis dificuldades que o projetista podes descobrir no decorrer do caminho, e também ter bem estabelecido alguns pré-requisitos para atuar com projetos estruturais.


Art. 497. Não induzem posse os atos de mera permissão ou tolerância, bem como não autorizam a tua aquisição os atos violentos, ou clandestinos, senão depois de cessar a dureza, ou a clandestinidade. Art. 498. A posse do imóvel faz presumir, até prova contrária, a dos imóveis e equipamentos que nele estiverem. Art. 499. O possuidor tem certo a ser mantido na posse, em caso de turbação, e restituído, no de esbulho. Art. 500. No momento em que várias pessoas se disserem possuidoras, preservar-se-á provisoriamente a que detiver a coisa, não sendo manifesto que a ganhou de alguma das novas por jeito vicioso.


Art. 501. O possuidor, que tenha honrado receio de ser molestado pela posse, conseguirá impetrar ao juiz que o segure da selvajaria iminente, cominando pena a quem lhe transgredir o preceito. Art. 502. O possuidor turbado, ou esbulhado, poderá preservar-se, ou restituir-se por sua própria potência, contanto que o faça logo. Parágrafo único. Os atos de defesa, ou de desforço, não podem deslocar-se além do indispensável a manutenção, ou restituição da posse. Art. 503. O possuidor manutenido, ou reintegrado, na posse, tem direito a indenização dos prejuízos sofridos, operando-se a reintegração a custa do esbulhador, no mesmo espaço do esbulho.


  1. Taquara - Guadua paniculata Munro (GRAMINEAE)
  2. doze - Pisos laminados
  3. Em câmara ou geladeira a 4ºC
  4. Máquinas elétricas
  5. Nome do curso de água de primeiro nível
  6. BOWLES, J.E., (1968). Foundation Analysis and Design. McGraw-Hill, Nova York, 657p

Art. 504. O possuidor pode intentar a ação de esbulho, ou a de indenização, contra o terceiro, que recebeu a coisa esbulhada, sabendo que o era. Art. 505. Não obsta a manutenção, ou reintegração pela posse, a justificativa de domínio, ou de outro certo sobre a coisa. Não se precisa, mas, julgar a posse em benefício daquele a quem evidentemente não pertencer o domínio.


Art. 506. Quando o possuidor tiver sido esbulhado, será reintegrado na posse, desde que o requeira, sem ser ouvido o autor do esbulho antes da reintegração. Art. 507. Na posse de menos de ano e dia, nenhum possuidor será manutenido, ou reintegrado judicialmente, senão contra os que não tiverem melhor posse. Parágrafo único. Domina-se melhor a posse que se fundar em íntegro título; na inexistência de título, ou sendo os títulos similares, a mais antiga; se da mesma data, a posse atual. Entretanto, se todas forem duvidosas, será seqüestrada a coisa, no tempo em que se não apurar a quem toque.


Art. 508. Se a posse for de mais de ano e dia, o possuidor será mantido sumariamente, até ser convencido pelos meios ordinários. Se quiser saber Obtenha Mais dicas sobre isto desse assunto, recomendo a leitura em outro ótimo web site navegando pelo hiperlink a a frente: Obtenha Mais. Art. 509. O disposto nos artigos antecedentes não se aplica as servidões contínuas não aparentes, nem as descontínuas, salvo quando os respectivos títulos provierem do possuidor do prédio serviente, ou daqueles de quem esse o houve. Art. 510. O possuidor de legal fé tem direito, enquanto ela durar, aos frutos percebidos.


Art. 511. Os frutos pendentes ao tempo em que cessar a bacana fé necessitam ser restituídos, após deduzidas as despesas da realização e custeio. Precisam ser bem como restituídos os frutos colhidos com antecipação. Art. 512. As frutas naturais e industriais reputam-se colhidos e percebidos, logo que são separados. Os civis reputam-se percebidos dia por dia. Art. 514. O possuidor de interessante fé não responde pela perda ou deterioração da coisa, a que não der causa. Art. 515. O possuidor de má fé responde pela perda, ou deterioração da coisa, embora acidentais, salvo se provar que do mesmo jeito se teriam dado, estando ela na posse do reivindicante.


Art. 516. O possuidor de legal fé tem correto a indenização das benfeitorias necessárias e úteis, tal como, quanto as volutearias, se lhe não forem pagas, ao de levanta-las, quando o puder sem detrimento da coisa. Pelo valor das benfeitorias necessárias e úteis, poderá exercer o justo de retenção. Art. 517. Ao possuidor de má fé serão ressarcidas apenas as benfeitorias necessárias; mas não lhe assiste o correto de retenção pela seriedade destas, nem sequer o de suspender as volutearias. Art. 518. As benfeitorias compensam-se com os danos, e só obrigam ao ressarcimento, se ao tempo da evicção ainda existirem.



Aggiungi un commento



ISSN: 1234-1235