Commenti dei lettori

Amazonas Registra O Segundo Caso De Sobrevivência Por Raiva Humana No Brasil

"Joao Benjamin" (2018-05-27)

In risposta a NICE ONE
 |  Invia una risposta

leia o guia completo

O paciente de quatrorze anos, do município amazonense de Barcelos, que contraiu raiva humana, passou a ser considerado o segundo sobrevivente da doença no Brasil. A recuperação do adolescente foi confirmada na Secretaria de Saúde do Amazonas (Susam). Todavia, em nota, o Ministério da Saúde informou que ainda não recebeu todos os relatórios neurológicos do paciente, "assim, ainda não há como avaliar quais as condições e presságio de recuperação". Este é o segundo registro de caso de paciente que sobreviveu à doença no estado. O outro foi em 2008, em Pernambuco. De acordo com o Ministério da Saúde, o protocolo estabelece que, depois do diagnóstico laboratorial confirmado afirmativo, deverão ser realizadas mais 3 coletas de demonstrações para check-up, um por semana, as quais serão suspensas simplesmente clique no seguinte web site momento em que houver três amostras negativas.


Só deste modo, confirma-se a eliminação do vírus no corpo do paciente", informou, em nota. Por este caso cadastrado no Amazonas, segundo o ministério, a cura depende da eliminação do vírus rábico no organismo do paciente em tratamento e também da recuperação clínica. No entanto, por se tratar de doença aguda com encefalite, é esperado que tenha inúmeras transformações neurológicas, não é sempre que reversíveis. Desse jeito, no caso em questão ainda é precoce para se precisar o pressentimento de recuperação, ainda que por hora a evolução clínica esteja ocorrendo de modo positiva", diz a nota. O tratamento consiste pela sedação do paciente e uso de medicações - um antiviral e outro remédio precursor de neurotransmissores, controle da motricidade dos vasos sanguíneos do sistema nervoso central e precaução de convulsões.


  • Quinze Hiperlink quebrado seis

  • Cebola e Alho

  • 7 Temporada sete (1994)

  • vinte e três Hiperlink quebrado quatrorze

  • Saúde do Gatos

  • Ícone de linkCadeado representando um link Copiar link Ícone fechar

No modo, o paciente é mantido em coma induzido, ventilação mecânica e cuidados intensivos de suporte à vida. As medicações foram enviadas pelo Ministério da Saúde à FMT. De acordo com a Susam, logo nos primeiros dias de contágio, o quadro clínico do adolescente se agravou, característica da infecção viral, ficando em estado gravíssimo, todavia após o tempo considerado crítico do vírus, passou a responder bem ao tratamento. Eu não poderia me esquecer de citar um outro site onde você possa ler mais sobre isso, talvez neste instante conheça ele no entanto de qualquer maneira segue o hiperlink, eu amo satisfatório do conteúdo deles e tem tudo haver com o que estou escrevendo nesse artigo, leia mais em simplesmente clique no seguinte web site. Magela explicou que a avanço clínica tem sido progressiva. Devido à melhora, teve alta da UTI e agora está em enfermaria, tendo acompanhamento de pediatras, fisioterapeutas, nutricionista, neurologista e outros profissionais. Apesar da recuperação, o menino necessita escoltar internado, por tempo indeterminado, para tratamento das complicações causadas na raiva humana. Dois irmãos do jovem morreram após contrair raiva humana por mordida de morcegos, um jovem de dezessete anos, no dia 16 de novembro de 2017, e a irmã dele, de 10 anos, simplesmente clique no seguinte web site dia 2 de dezembro.


Os 2 de imediato chegaram em estado importante ao hospital e não resistiram à doença. Os três são da comunidade Tapiira, localizada na Reserva Extrativista do Rio Unini, entre os municípios de Barcelos e Novo Airão. A raiva é uma doença infecciosa aguda causada por um vírus que acomete mamíferos, inclusive o homem, e é transmitida principalmente a partir da mordida de animais infectados (cães, gatos ou morcegos). Em 2017, foram cinco casos, sendo um em Pernambuco, um em Tocantins, um na Bahia e três no Amazonas.


Os sintomas da raiva humana variam de acordo com o avanço da incubação infecciosa. A pessoa mordida por um animal infectado pode perceber mal-estar geral, febre, anorexia, náuseas, dor de garganta, entorpecimento, irritabilidade, inquietude e sensação de aflição. Devido ao período de incubação da infecção - que varia a depender do corpo humano do paciente ou do tipo de animal que mordeu -, a recomendação é buscar atendimento médico de imediato e relatar a mordida ao agente de saúde. simplesmente clique no seguinte web site Amazonas, foram realizadas vacinação antirrábica de 546 pessoas na localidade onde ocorreram os casos, além da vacinação de 111 cães e doze gatos, captura de morcegos e palestras educativas nas comunidades do Rio Unini.


Nesse ano, foram distribuídas 1,três milhão de vacinas antirrábicas pra humanos, que, de acordo com o ministério, são suficientes pra responder a demanda do estado. A Susam informou que bem como reforçou a distribuição de sorovacinação nas comunidades localizadas pela região do Rio Unini e que faz ações de monitoramento em todos os 37 municípios que avisaram ataques por morcegos no Amazonas, incluindo Barcelos. Nesses municípios, o órgão também faz o serviço de captura dos morcegos, para análise de circulação viral.


Mesmo desse modo, é essencial que o acesso a piscina, lago e mar seja feito somente sob a sua supervisão. Se o animal não tem nenhum trauma à água e este jeito não está em inexistência na sua região, providencie uma piscina pra ele. Uma bacia de água agora é o bastante para os animais menores. Pros maiores, use um tanque de areia que as gurias brincam pra colocar um pouco d’água. O robusto calor e a umidade compõem o recinto ótimo para a ação das pulgas e dos carrapatos em cães e gatos. Além da dermatite alérgica, causada pela picada das pulgas, a tênia bem como é transmitida pelas pulgas aos animais. Neste momento os carrapatos conseguem entregar erliquiose, babesiose e febre maculosa, zoonose que poderá ser fatal assim como para as pessoas. Deste modo, é importante que o seu cão esteja com os medicamentos ou métodos de profilaxia em dia.



Aggiungi un commento



ISSN: 1234-1235